sexta-feira, 24 de julho de 2009

2010.1

Com muito carinho, a pior coisa que eu já escrevi em toda minha vida, para minha querida Universidade:

Eu estava muito frágil
E então, muito fácil
Me entreguei a você
Meu bem, dentro de seus braços
Cheguei ao cansaço
Buscando prazer
Você sempre foi ferina
Mas saiba, querida,
Que eu tentei te amar
Você sugou minha vida
E me foi tão nociva
Que me fez enxergar
Que
Minha vontade maior
É te esquecer
Minha vontade maior
É fugir de você
Eu tentei por tanto tempo
Me encontrar ao lado teu
Mas pra seu desalento
Estou feliz com esse adeus.

Vai, Miséra.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Nostalgia.

É tudo perfeito
É cintilante
Parece ser feito
De diamante
O tempo lapida
Pro peito guardar

Certezas incertas
Que viram fatos
Janelas abertas
Viram retratos
E o frio na barriga
Paixão que se deve lembrar

Para Marina!

Anda na ponta dos dedos
A minha vontade de te pegar
E eu não faço segredo;
Ainda te faço dançar.
Vou pegar seu cabelo
Cheirar seu pescoço
Vou morder o seu beiço
E não tem esforço
Nem reza, nem faca
Que afaste seu corpo
Do meu.
E o que acontece
Lá dentro do quarto
Não é coisa breve
Se divide em atos
E não há reza nem faca
Que afaste seu corpo
Do meu.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Perdi meus pensamentos.
Eles voavam na sala e no quarto,
Se grudavam no teto
E caíam em cima de mim
A cada passo meu que vibrava o chão.
Antes vinham pelas janelas
Em algum perfume amadeirado
Ou vinham da praia
Embalados em maresia
Pelos copos d'água
Refrescando a mente
Escorriam afoitos e desordenados
Pelos dedos no lápis
Aos montes e bocados.
Agora ficam se escondendo
E não sei onde procurar.
Preguei meu telefone nas paredes
Com recompensa no aviso de "procura-se".
E ando chorando pela casa procurando seus sinais.

...

Cada pedaço de hora
Que vai caindo dos ponteiros
Nem um pouco minora
A dor da falta de seu cheiro.

domingo, 5 de julho de 2009

D costas

Não é de sua conta.
Então não puxe cabelos
Não se finja de tonta
Não guarde nada em seu seio.

Se assim não for
Eu corto seu peito
De um jeito
Tão cheio de dor
E arranco tudo à força.
Até o amor.