segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Finie

Tudo que poderia ser
Melhor em mim
Era melhor
Que eu não tivesse assim
Pra ter que resolver.

Se o que eu tenho
De melhor
Não basta,
E se o que é ruim
Em mim
Nos afasta,

Não tem motivo
Pra "eu e você".

Envelhece.

Você está verão, meu bem
Quente como o sol
Cheiro de umbu-cajá...

Isso tudo é tão bom que nem
Chuva passageira pra
Esvaziar a praia.

Mas lembre que o verão
Vai passar
E vem o outono, então
Você fica nu e só
E aí quando você
Já souber
Vem o inverno e então
O frio pede "nós"...

Na primavera que sobrar
Colorida em flor
Cheiro bom de chá...

Quer um peito pra desabrochar
Vem, deita no meu
Rego o que plantar...

Você e Eu

Rosa claro e azul
É o céu na sua janela
Me espere na varanda
Que eu já chego...
Esses contos de amor
Sempre são complicados
O nosso não poderia
Ser tão fácil.

Não se queixe, não
Tudo em mim é tão seu
Que nem me sobra tanto
Eu só quero seu cheiro
Num casaco quente
E tudo fica muito bem...

O relógio ciúma
E eu preciso ir embora
E a madrugada dura
Todo tempo do mundo...
Mas te amo no ouvido,
Dentro do pensamento
No peito barulhento
E no meu sonho doce.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Quando

Quando eu pensar em você
Sem querer
Será que você aparece?
E quando eu quiser te ver
Sem poder
Será que funciona uma prece?

Todo relógio corre
Todo dia o sol morre
E todo mundo dorme

Tudo é mais bonito
Se você está comigo
Tudo é permitido

Quando você me quiser
E vier
Será que eu quero também?
E se a gente puder
E se der
Você vai querer ser meu bem?

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Fale logo.

Se for pra chover

Que a chuva caia, então.

Molhe tudo,

Leve tudo,

Deixe livre meu chão.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Cantarola

Se eu vier com frio

Depois do estio

Em seu colo

Eu posso

Me aquecer



Se estiver com sono

Triste de abandono

Me faça esquecer...



Me ame com a força de um verão

Dure sempre mais que uma estação

Me beije sem pressa de parar

Me acorde quando o sol entrar...

Se ainda for escuro

E eu pular o muro

Abre a porta

E me deixe

Entrar

Se estiver com sono

Triste de abandono

Me faça esquecer...


Pra não acabar.

Levo comigo
Num abraço
Tanta vontade
Que não cabe
Só em mim.

Antes então
Que tudo pese
E nada sobre
Em meu abraço,
Me segure.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Lá na minha infância.

Vou te levar embora.
Vem comer cocada
Na escada,
Que nem moleque.
Aqui a gente levanta
E toma um café
Com biscoito
Pra ir pra rua...
Se quiser almoçar,
Toma banho
E penteia o cabelo,
E uma senhora coloca o prato...
Sempre tem suco.
Vem assistir bobagem
E conversar antes de fazer o dever.
Aqui é tudo melhor,
Ninguém aqui fica só.
Tô esperando você...


Vontade própria

Te desenho da cor que tem
Na minha caixa de colorir.
Desenho insatisfeito,
Nenhum retoque te alegra.
Compro outras cores
Colo lantejoulas,
Picoto papel pra movimentar;
Mas você não quer enfeitar
A minha parede...
Magoada, te jogo no canto
E volto a desenhar.
Mas nada é tão bonito
Nada tem suas cores,
E as marcas de traços
Em que eu passava os dedos.
Te desamasso e te ponho
Onde você tem que ficar.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Insanidade.

Complico o amor
Por comodidade
Só pra ter problemas
Para resolver.

Qualquer decote sério
Riso franco de mistério
Tudo é muita coisa
E a gente tem
Que se entender.

Mas se eu entender você
E se você me entender
Que é que sobra pra nós dois?

Sem problemas pra depois
Sem acordos pra fazer
O que fica pra mim e você?

Fatal

Pare de fingir
Que a minha dor é sua
Se eu ficar nua na chuva
Você não vai gripar.

Basta entender
Que o mundo vai girar
E essa dor que é
Tão dura
Não dura até matar.

Bora logo
Que a chuva já foi
E eu tenho botina;
Enfrento sozinha
Seu lamaçal
Abra a porta
Não vamos ter depois
Pois esta é a sina
De quem ama
O que lhe é fatal.



?

Fiquei olhando pro papel
Por tanto tempo que choveu.
Sabe a inspiração?
Então,
Desapareceu.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Quebrar.

Não tem nada aqui
Tudo que era bom
Foi embora no seu perfume

Até o que era meu (O que era meu?)
Era tudo tão você
Que eu não consegui tomar.

Empalideceu o céu
Ficou tudo seco
E nesse embalo,
Valsa triste
Me ponho a chorar.

Tudo em tom pastel
Eu sempre me perco
E logo me calo...
Dedo em riste,
Me acuso de amar.

sábado, 17 de julho de 2010

Flores

Sabe,

Eu não quero flores

Pra furar meus dedos

E murchar na mesa


Sabe,

Cansei dessas dores

De tantos segredos

Não tenho certezas.

Olhe, amor,

Meus dedos furados

Já não têm espaço

Para mais uma dor



E se for

Pra que eu fique triste

Por favor, não capriche

Não aguento, amor.

Somos

Somos aqueles que correm,
Que a luta conduz pela vida.
Aqueles que se perdem,
Que se encontram dentro de outros,
Que se derramam nos seios alheios,
Se desesperam com ilusões bobas,
Que machucam, ferem, matam
E gritam "Ai, meu Deus".
E Deus, sabido que só,
Sempre diz:
"Eu te dei a caneta.
Agora você quer borracha?"

Cerveja

Transborda bela e chamativa
Pela rua,
Pela mesa da cozinha...
Que coisa causa a sua visão
Sob a lua,
Sob o sol, ou num balcão
Qualquer de bar,
De qualquer lugar
Loira linda, comemora,
Chora,
Brinda e entorpece
E me esquece quando a festa acabar.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Aquela

Comprei um pé de pimenta
Pra levar pra ela
Ela vai gostar,
Eu sei que vai.



Ensaiei uma música lenta
Pra cantar pra ela
Eu sei que ela
Vai abrir
A janela.



Ela nunca me esnobou
Por que não sabe
E se ela sabe
Nunca se importou

E eu fico sempre aqui,
Todo ansioso
Pra sentir o cheiro gostoso
Do seu perfume,
Meu amor.

Sem hesitar.

Se disser que vai embora
Abra a porta de verdade
Essa coisa de saudade
Não existe por aqui

Depois que bater a porta
Finja que não sente nada
Passe a noite acordada
Mas não venha me pedir

Não há mais
Isso de tremer
Quando você passa
Não há mais isso de tremer.

Não há motivo
Pra querer
Você de volta
Não há motivo pra querer.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Estradas

Engraçado o caminho teu:
Ladeiras, curvas e becos
Sempre cruzam com os meus.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Semínima

Quando um bolero
De repetida melodia
Ritmo único,
Como o meu coração
Que bate devagar
Passa no rádio
No meio duma tarde fria
Lembro de tudo
E o meu coração
Que bate devagar
Então, dispara...

domingo, 4 de julho de 2010

Piri

Eu danço um samba se você quiser
Eu tiro a roupa pra você notar
Se a poesia que eu te digo
É que nem um zumbido
Eu laço as pernas
Num gesto só,
Te dou um nó
E pronto...

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Noite Boa

Ébano e prata
Misturados num
--aRrEpIo--
Pele nua,
calafrio
E o desejo
Enche os poros
Devagar.
E a razão acaba
Qualquer um
Esquece o brio...
Lá na rua
O vento frio
Conta segredos
Aos raios do luar.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Não sei se te importas,
Nem ao menos se acreditas.
Mas minhas veias só falam tu.
Meu sangue pulsa a tua nota.

Abraço.

Invade a blusa
A mão na pele.
Estica os dedos,
Encosta o corpo,
Respira perto.
E esquenta.

domingo, 27 de junho de 2010

No ônibus.

O menino dormiu
Sono fundo de quem sofre
Ele sorriu
Um sorriso que o fez forte
Dorme, sorri...
Cochila, menino,
Quando o mundo chegar
Eu te acordo.
Se recoste aí...
Sorria menino,
Quando for pra chorar
Eu te apóio;
É hora de ir.

sábado, 26 de junho de 2010

Maturidade, homem.

Fruta boa essa,
Colorida,
Carnuda,
Viçosa,
Que cai do pé
Roça as raízes
E para nos meus dedos, pedindo:
Me coma.

Nossos laços

Amarrou meu coração
No laço do sapato sujo.
Não sei desfazer nós cegos.
Então nós, cegos, seguimos juntos.

Doentes.

Conta uma história nova
Conta uma mentira agora
Depois pode se sentar

Deixe que alguém se culpe
Deixe que alguém se ocupe
Dessa coisa de chorar

Espere, que alguém implora
Espere, alguém fecha a porta
Aí você não vai fingir

Que vai embora de vez
Então só conte até três
E tudo isso vai sumir.

sábado, 19 de junho de 2010

Tudo dela

Fugia dos olhos dela
Marrons janelas
Da alma dela.

Comia o colo dela
Cor de canela
Cheira a macela.

Queria era um beijo dela
Rosa amarela
Dama donzela...

Laissez Passeir

Tempo é folha que fica.
Vida,
Orvalho da madrugada
Que seca quando nasce o sol
E dá lugar a outro novo,
Quando cai a noite.

Baleiro

Apaixonei pelo baleiro
Vendia doces, isqueiros,
Remédio pra dor nas pernas.

Ele é um moço bem arteiro
Vende também chaveiros,
Faz graça com mini-lanternas.

Faz umas rimas tão loucas
Tem uma voz muito rouca
Que é mesmo tão boa de ouvir

"Moça linda, não seja boba
Se tem namorado, fique de touca
Cuidado pra ele não te trair!
(...mas já sabe, qualquer coisa, tô aqui)"

Pergunta do tempo.

O que você quer, menina? Sabe fazer o quê?

Eu sei criar, menino.

Aaah... E isso se come?

(O que você quer, menina?
O que você sabe fazer?
Eu sei criar, menino,
Mas o que eu crio,
Não dá pra comer.)

Humpf.

Tudo a que dedico amor
Tudo que me entorpece
Zomba, me causa dor.
...
...
...
...
...
...
E se já não quero mais,
Dócil...me envaidece
Para que eu volte atrás.

Me acredite.

Pereço na tua ausência
Do cheiro certo,
Do teu pescoço.

Padeço de uma carência:
Seu riso aberto,
Sussurro rouco.

E caço verdades tuas
E tu me caças
No tom da voz.

Precisas de quantas luas
Pra ver a graça
Que acho em nós?

Gato

Suave e quente
Se ajeitando em mim
Sou colo permanente
(Amiga sincera,
amante fiel)
E é sempre assim.

Aberta a janela
Pula para a rua
Num canto tagarela
(Namora várias,
namora todas)
Namorando a Lua.

Naõ espero e rezo;
Sei da sua volta.
Então, com muito esmero,
(Te alimento,
te arrumo a cama)
Nunca fecho a porta.

domingo, 13 de junho de 2010

Agoniado.

Já é hora...
Vou me deitar
Vou deitar não
Pra não sonhar com você
Sol lá fora
Vou levantar
Ah, não vou não
Não quero ir sem você
Vai tudo bem
Eu só queria mais um tempo
Mas seu cheiro vem no vento
Pra me agoniar
Se você vem
Eu vou me por todo cheiroso
Num terninho bem jeitoso
Pra a gente dançar...

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Dia dos Namorados.

Se eu dissesse tudo
Pra você
E te desse o mundo
Só pra ver

Seu sorriso bobo
Seu sussurro louco
Ia ser tão barato
Pra me advinhar

Deixa o absurdo se achegar
Deixa essa história caminhar
Eu sei que tudo é sempre igual
Mas dessa vez não vai ser tão mal

Eu te dou meu olhar mais sincero
E te desejo tudo que eu mais quero
Que é pra o jogo ser justo
Que é pra ninguém ter susto;
Bora tentar.

Single = Cheaper

Cartões de papel,
De gliter, de cores,
Em tons de pastel
Descrevem amores
Que eu vi na tv.
Todas as vitrines
Presentes iguais
E casais felizes
São cartões postais
Que têm tudo a ver.
Parece que tudo conspira
Parece que o amor se atira
Pra eu me entregar a você.

(Mas é só Dia dos Namorados,
toda loja tem um recado
específico pra você.)

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Escrever.

Sonhos coloridos
Beijos que roubei
Sussurros ouvidos
Conchas que catei.

Escrevendo sonhos
Tinta de caneta
Tudo que componho
Ri ou faz careta.

terça-feira, 1 de junho de 2010

36

Meu mundo não é
Nada complicado
Dá certo ou dá errado
Simples de entender
Xícara de café
O pé descalço
Cheiro bom de talco
Uma fruta pra comer
Mas olhei pra você
Cores diferentes
Barulho silente
Música pra ver
Só queria saber
Se eu posso querer saber
O que é pra querer de você.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Ruim de jogo

Antes mesmo que ele diga
Eu já rezo, faço figa
Eu prometo
Pra ter medo de perder
Eu prefiro nem te ter
Assim esqueço
Nesse jogo complicado
Sempre faço tudo errado
Pra tentar ganhar
Mas num jogo que não deixa ganhador
Esse jogo que escraviza o jogador
Já não quero jogar
Nem se for de tabuleiro
Não arrisco meu sossêgo
Numa aposta
Tem até ditado antigo:
O costume do cachimbo
A boca entorta
Se eu der o primeiro passo
Sei que caio nesse laço
Sem poder voltar
E um jogo que não deixa ganhador
Esse jogo que escraviza o jogador
Já não quero jogar...

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Porta aberta

Todo mundo
Já passou por isso
Toda velha
Sabe um feitiço
Que resolve qualquer problema
Toda moça
Tem um segredo
Todo homem
Diz que tem medo
De mulher que não tem pena
Não vou responder
Quantas vezes os ponteiros vão girar
Pra você me ter nas mãos
Mas se for pra ser
Vou me entregando devagar
Pra você me ver
Na canção

terça-feira, 13 de abril de 2010

Horny

Não se esconde
Não importa aonde
Você vá
Bem de longe
Eu consigo te encontrar
O sol se põe,
O frio vem
E ah, meu bem,
A minha cama é sempre quente...
O meu cabelo é sempre rédea...
Não se compõe,
Sem ter alguém
E ah, meu bem,
Sei que o instinto nunca mente...
Na solidão não há comédia...

quinta-feira, 18 de março de 2010

Pare.

Pare de espiar
Meu sono
Pare de bancar
Meu dono
Pare de criar
Destinos para tudo que eu penso

Nunca te falei
Das dores
E nunca guardei
Rancores
Nunca arrisquei
Deixei você viver seu momento

Então me deixe viver
Eu quero amanhecer
Me levantar...e anoitecer

Se eu pensar em você
Creia, você vai saber
Pois sou eu quem vai te dizer.

(Agora sim, pode dizer que foi direcionado a você.)

Sagaz

Pra a gente não
Ficar magoado
E pra a gente
Não dar errado
Eu te mostro
O caminho
Pra não dizer
Que tá apressado
Pra não morrer
Num tédio velado
Queira ficar
Sozinho
Seja agonia
Seja melodia
Não algeme
(Porque)
Sem companhia
Na cama fria
O outro treme...

Clarear

Me dê um beijo,
Menino,
Vou dormir mais cedo
Pra sonhar com você.
Eu acho que o
Destino
Te encobriu de segredos
Só pra me entreter
Eu não te pedi nada
Eu tenho a madrugada
Pra sonhar
E se isso der certo
E você ficar perto
Vai tudo clarear...

terça-feira, 16 de março de 2010

Descaminhos

Te dei um mundo colorido
Eu fui seu laço, porto, abrigo
Mas nem assim,
Nem mesmo assim
Eu te bastei
Estive perto a todo instante
Mas esse seu amor errante
Não foi pra mim,
Não é pra mim
Agora eu sei.
Onda vai e volta
Mundo sempre roda
As lágrimas
Vão secar
As páginas
Vão passar
Sempre me levanto
Enxugo meu pranto
E ando
A cantar
E canto
Sem chorar...

Pinhooo

Eu espero
Que você volte
E que a sorte
E os bons ventos
Te soprem
Ah, eu quero
Te ver contente
Vê se aprende
Os momentos
Te escolhem
Então viva
Que a vida
É breve
Se levante
E ande
Se entregue
Se vier,
Sempre agarre
De frente
E se der
Vê se lembra
Da gente...

Vem.

Vem,
Que eu só encostei a porta
Sei que você sempre volta
E sabe que eu te quero bem
Vem
Que pra início de conversa
Debaixo dessa coberta
Você sempre é refém
Então,
Abra a porta e deita
Nessa cama feita
Pra você
A cena é perfeita
Deixa nossa trama
Se tecer
Vem, vem, vem,
Meu bem
Que eu sei que você quer me ter
VEm, vem, vem,
Meu bem
Fique aqui até amanhecer...

segunda-feira, 1 de março de 2010

A gente.

Eu não acredito que você
Acordou de madrugada pra pensar em mim
Eu não creio mesmo que você
Me queira tanto assim
Mesmo que não dure até o outono
Se você perdeu o sono eu já me sinto bem
Acho que não vai até o outono
Mas sonho com você também
Se a gente se abraça sem falar
Um beijo é tudo que eu preciso pra dormir
A noite só tem graça com luar
Mas você só precisa sorrir...

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Cantiga

Ai, minha pequena
Que saudade tua
Tua pele morena
Sob a luz da lua

Brilho de prata
Que me ilumina
Faço serenatas
Para esta menina

Nem mil cantigas
Preces ou poemas
Nem jóias antigas
Pra minha açucena
São suficientes
Então ando só
A segurar
Meu coração quente

Nada há
Que me alegre a vida
Nem as janelas
Tão coloridas

Nem mesmo elas
Me põem riso
Nem flores amarelas
Nem bolas com guizo

Mas se ganho
O teu olhar
Juro que posso
flutuar.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Você comigo

Se o acaso me der o prazer
De por acaso tornar a te ver
Dance comigo
Dance comigo
É tão complicado admitir
É pior quando tento fugir
Então, te digo
Dance comigo
Você sabe que eu sei dançar
Você dança e eu vou te levar
Sempre comigo
Case comigo
Desta vez há de ser verdadeiro
Este é meu pedido derradeiro
Dance comigo
Case comigo...

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Tem

Céu,
Lua
Porto,
Grua.

Festa,
Camafeu
Você,
Eu.

Grrr

Te acho
Arrasto você pelo chão
Rasgo seu calção,
Seu coração
E louca
Te deixo são.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Fast

Toda hora
É tarde
Nada vai durar.
Vento
É tempestade
Tudo vai mudar.

Whoa...

When I am blue
Than I really know,
I need you.
When I get hot
And you gotta go...
I'm afraid not.
Do not try to run
I just wanna some fun
And you are my toy
I swear, I'll be good
I'll try to be smooth
Just stay. And enjoy.

:(

Eu sonhei
Que a gente era feliz
E vivia um sonho bom
Mas acordei
E o que pude ouvir
Foi apenas o som
Do rádio ligado
No quarto vazio
No vidro molhado
Não vejo sinal de estio
É bem mais difícil
A noite fria
Sem você.

Clic

Feche os olhos
Ah, pra que pensar?
Eu só quero um beijo.
Vem sem jogos
Vem sem me testar
Mata meu desejo
Se você sabe que eu te quero
E que pra isso não tem remédio
Então pra que fugir?
A gente junto é tão perfeito
E eu adoro esse seu jeito
Então vamos curtir
Esse sentimento
Esse momento
Que é só nosso...

Preso

A bem da verdade
Te digo, morena,
Você que escolheu
Só por vaidade
Fez aquela cena
E a razão perdeu.
Eu enlouqueci
Perdi o juízo
E te deixei só
Mas não esqueci
Do seu sorriso
Fiquei com um nó
Em meu coração
Que eu não consigo desatar
Não posso me desamarrar
Eu estou preso em sua vida
Fiz esta canção
Pra você ouvir e lembrar
Que eu vou sempre te amar
Você não tem outra saída:
Está presa em minha vida.

Sua mão

Eu só quero sua mão
Pra eu apertar
Por medo de avião,
Na hora de dançar
No fim de uma briga
No susto do cinema
Ouvindo cantigas
Reveillon de Inema
Pra mostrar paixão
Ou só pra amar
Eu só quero sua mão
Pra eu apertar.

Conselho

Minha vó falou
Pra eu crescer,
Casar com você
E ter filhos seus.
Ela me mostrou
O que fazer
Pra te convencer
A ser todo meu
Mas eu não ouvi
Vi um avião
E a emoção
Me fez voar...
Mas quando te vi
Doeu o coração
Fiz essa canção
Pra você ficar.

Tímido

Se eu te olho de lado
Você diz que eu sou grosso
E não é bem assim
Se eu falo embolado
Você diz que eu sou tosco
E isso dói em mim
Menina
Seu perfume
Não me deixa pensar
Vou morrer
De ciúme
Se alguém te beijar
Quando você me olha
Eu perco minha arte
Eu sou tímido, faz parte...
Eu tento ser o cara
Pra você gostar de mim
Mas não tem dado certo
Te vejo e o tempo para
Não viu que eu tô afim?
Me deixe chegar perto...