quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Fale logo.

Se for pra chover

Que a chuva caia, então.

Molhe tudo,

Leve tudo,

Deixe livre meu chão.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Cantarola

Se eu vier com frio

Depois do estio

Em seu colo

Eu posso

Me aquecer



Se estiver com sono

Triste de abandono

Me faça esquecer...



Me ame com a força de um verão

Dure sempre mais que uma estação

Me beije sem pressa de parar

Me acorde quando o sol entrar...

Se ainda for escuro

E eu pular o muro

Abre a porta

E me deixe

Entrar

Se estiver com sono

Triste de abandono

Me faça esquecer...


Pra não acabar.

Levo comigo
Num abraço
Tanta vontade
Que não cabe
Só em mim.

Antes então
Que tudo pese
E nada sobre
Em meu abraço,
Me segure.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Lá na minha infância.

Vou te levar embora.
Vem comer cocada
Na escada,
Que nem moleque.
Aqui a gente levanta
E toma um café
Com biscoito
Pra ir pra rua...
Se quiser almoçar,
Toma banho
E penteia o cabelo,
E uma senhora coloca o prato...
Sempre tem suco.
Vem assistir bobagem
E conversar antes de fazer o dever.
Aqui é tudo melhor,
Ninguém aqui fica só.
Tô esperando você...


Vontade própria

Te desenho da cor que tem
Na minha caixa de colorir.
Desenho insatisfeito,
Nenhum retoque te alegra.
Compro outras cores
Colo lantejoulas,
Picoto papel pra movimentar;
Mas você não quer enfeitar
A minha parede...
Magoada, te jogo no canto
E volto a desenhar.
Mas nada é tão bonito
Nada tem suas cores,
E as marcas de traços
Em que eu passava os dedos.
Te desamasso e te ponho
Onde você tem que ficar.