quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Selo Antigo


Este selo me foi dado por Mao Punk já tem um tempo, mas eu nunca conseguia publicar...
Obrigada! Para ficar com ele eu preciso:
1- Contar 10 coisas sobre mim;
2- Dedicar para mais 10 blogs;
3- E avisá-los sobre a dedicação.


10 coisas:
1- Sou viciada em café;
2- Quando estou nervosa, com fome ou com medo, gaguejo, tremo e misturo informações;
3- Já escrevi milhões de coisas e apaguei porque achei ruim;
4- Quando a bebida realmente faz efeito em meu organismo, fico chata, sonolenta e monossilábica;
5- Adoro ir à praia e ao cinema sozinha;
6- Adoro banho frio;
7- Adoro comida japonesa;
8- Não mexa com meus amigos e minha família e você viverá bem por muitos e muitos anos;
9- Faça o contrário e consiga uma inimiga inescrupulosa por muitos e muitos anos;
10- Amo profundamente cozinhar e aprender mais sobre comida.

Dedicar a 10 blogs:
Os que eu mais gosto, que me inspiram e que eu leio seeempre que posso:
Vem cá Luísa... me dá tua mão
Versos Voadores
Pena e Poesia, por Luiz de Aquino
Borboletras no Quintal
Coisas Boas da Vida...
Farpas e Psicodelia
O Ouro da Miséria
In Pensados
Quié?!
Melodia Invertida

Já estão avisados...
Beijo.





sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Este veio do meu Gênio Mateus Borba

1. Qual escritor(a) que mais te influencia?
Chico Buarque, CLarice Lispector, Florbela Espanca, Cora Coralina, Fernando Veríssimo, Pablo Neruda, Antoine de Saint-Exupèry, Maurice Druon e tantos e tantos e tantos que eu leio repetidas vezes...

2. Pretende escrever algum livro?
Gostaria. O que não passa de uma vontade louca.

3. Se sim, qual seriam o nome?
Sei ainda não.

4. Qual a história que gostaria de escrever?
De preferência que seja levezinha. E engraçada.

5. O que mais te inspira a escrever?
O que me cerca, o que eu persigo, o que eu consigo, o que me abandona.


E este selo vai para:
Melodia Invertida 
Fale com ela
Vem cá Luísa...me dá tua mão

sábado, 10 de setembro de 2011

L'homme auquel j'appartien

Então...
A alma logo se prende
À vontade de se perder
Nesses caminhos castanhos
E verdes do entardecer

E sem promessas gigantes
Sem noites de enlouquecer

Eu pertenci,
Nem me julguei
E nem fugi...

Fiquei no laço
Do seu abraço,
Adormeci...








Alors dernière l'amour

Qualquer rima boba
Que se arrume certo
Num papel pequeno
Que eu alcançasse.

Palavrinhas doces
Cores rutilantes
Lua cheia e grande
Mel, limão, conhaque.

Cheiro de perfume
Outro apelido
Toda novidade
Pequenina e bela

Tudo é encanto
Sério, verdadeiro
E enquanto dura
Clareia a janela.





Vem de onde.

A melodia
Da agonia certa
Canção de amor
Que nunca se acaba.

De rádio desligado
E porta aberta
De um nó perfeito
Que não se desata.