quinta-feira, 18 de outubro de 2012

O ano inteiro de sol

Que a chuva vem, você sabe
Que os raios virão, sei também.
Nunca num ano inteiro foi sol
Sem molhar setembro ou janeiro
Mesmo que fosse o mais quente verão.

Que o tempo passa, é verdade
Que a saudade dói, eu sei bem.
Nenhum amor é imaculado
O pecado é querer que ele brilhe
Mesmo quando o céu é só escuridão.

Não posso esperar
Que não chova nunca
E que nunca me doa
Se acaso você se for
Ou mesmo que o tempo
Fique calado
Esperando, coitado,
Que você entenda
O amor.

domingo, 14 de outubro de 2012

Polly


Eu que queria tanto ser
Que nem todo mundo que sorri
Descobri que amar
É quase como apostar no baralho:
Desigual, nem todo mundo vai ganhar,
E não é sempre que eu vou conseguir
Blefar.
É real, se alguém quiser te olhar
Bem no fundo dos olhos só pra te
Enganar.
Eu, que queria dançar pela chuva
Que nem todo mundo que é feliz
Descobri que viver
É quase como jogar amarelinha:
Divertida, mas eu posso tropeçar,
Pode ser que ninguém venha me
Levantar.
É legal, mas minha vez vai passar,
E talvez fique tarde e o jogo vai se
Acabar.

domingo, 26 de agosto de 2012

Dormir

Antes que você se deite, moço,
E a cama acolha seu cansaço,
Deixa eu me deitar no seu abraço,
Que hoje foi um dia de alvoroço.

Antes que você se espreguice
E vá dormir o sono que renova,
Deixa um beijo meu te dar a prova
Que eu e você não é mesmice.

E quando você se deitar, moço,
E o cobertor não der pro frio,
Lembre que pra chuva eu sou estio,
Num lençol macio, serei fogo.

Mal

Um coração assim,
Tão cheio de amor,
Teimoso a se entregar,
Se acabará, por fim?
Se a entrega é quase dor
Que nunca, nada faz parar.
Nem um punhado de desculpas,
Nem as declarações malucas de alguém
Que diz amar,
Só diz amar.

Pour Vous

Meu coração de todo inteiro se ocupou
Da dor mais linda que uma vez pôde doer.
Todo remédio que me deram pra curar
Foi copo d'água num imenso fogaréu.

E toda música que toca é pra lembrar,
Todo casal que se abraça é pra eu ver,
E o travesseiro aqui, vazio, é pr'eu olhar,
E, imaginando seu calor, adormecer.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Sem gracinha ela

Ficam as estrelas
Se pintando novas
Se mexendo em formas
Brilham majestosas
Pra você olhar.
Eu, meio sem jeito,
Com um brilho esquisito
Meio sem feitiço
Te ofereço abrigo
Colo de ninar.
Depois nos sentamos
Pra olhar estrelas...
É tão engraçado
Elas a brilhar.

domingo, 5 de agosto de 2012

Então

Mas se andamos tão direito

Esse caminho tão sem jeito

Que nos deram pra andar

E se toda esquina sua

Sob o sol ou sob a lua

Sempre acaba por me encontrar

Se a paixão fugaz e quente

Virou essa coisa diferente;

Essa chama branda não vai acabar

E se eu vejo você

E se você me vê

Nenhum de nós

Consegue seguir só

Então que tal a gente

Ser um só?

Tortura.

Onde foi que erramos, então,

Hein, meu bem,

Se tudo foi feito com amor.

Tudo que eu podia me dar, eu me dei

Sem pena de amar

Sem querer parar.

Em que caminho deixamos de andar,

Hein, meu bem,

Se todos os passos ficaram aqui.

Tudo que você podia mostrar, já mostrou

Não tem nada mais

Ou nada demais

Eu e você

Tem que ser nós

Ah, meu bem.

Eu e você

Sempre pôde

Ser nós.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Inspiração


Ela sempre volta
Sempre em notas, em todos os tons,
Em beleza, em aquarela.

Ela é colorida
Ela voa, ela brota na pele,
Ela muda os traços da tela.

Pousa leve, rutilante,
Vai deixando tudo lindo
Eu sou sempre bem vindo
Em seu colo, meu bem...

Volta linda como antes,
Meu caminho colorindo
E eu vou sempre seguindo
Seu perfume, meu bem...

Receita de Samba


Me disseram pra sofrer
Pr’eu conseguir fazer um samba
Que coisa mais boba!
Eu digo a você:

Quando tudo é colorido
A música invade a janela
E toma o meu quarto,
Eu digo a você:

O samba vem
Pra mim
 Quando eu
Sou feliz
Tristeza não
Vai me ajudar
Quando eu
Quiser sambar...

Quando você quiser sofrer
Pra conseguir fazer um samba
Pare de bobagem:
Levante pra ver!

Aquela charanga que passa
Com um monte de gente bamba
Feliz, colorida,
Levante pra ver!

O samba vem
Pra você
 Quando você
É feliz
Tristeza não
Vai te ajudar
Quando você
Quiser sambar...

Tromperie?


Inda que fosse mentira,
Grosseira estória pra encantar,
Oh, mas que boba eu seria,
Ridícula, de não me enganar.

Dentro


Tudo que deu pra juntar,
Juntei num pedaço de mim.
Não escondi nem um pouco,
Nem tentei me ordenar.

E qualquer outro pedaço,
Com muitas coisas afins,
Fica só sendo um esboço
Do que eu sou mesmo no fim.

Nessa parte que eu guardo
Tudo que tenho juntado,
Os medos e as coragens,
Vontades e buscas de mim,

Nela é que vou carregar
Tudo que a mim for afeito,
Tudo que lembro ou esqueço.
Tudo a que eu disse sim.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

O quanto

Quantas vidas eu queria ter
Só pra ver você chegar de novo
Na minha porta, no quarto, na sala,
Cara de riso ou louco de raiva?

Quantas luas tinham que nascer
Só pra eu poder te ter de novo
Na minha cama, naquela escada,
Em qualquer canto daquela casa?

Todas as vidas do mundo
Todas as luas no escuro
Tantos sorrisos e raivas
Todos os vãos dessa casa.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Entre a dor e a novidade
A novidade é linda, a dor é passageira.
Larga o medo em algum canto;
A vida é salto livre num desfiladeiro.
A água leva as folhas
O vento sopra o som
E eu danço sozinha
Qualquer assobio.

Franco

Meus papéis de carta
Se descoloriram
Estavam guardados
Para não rasgar.

Pra não desbotar
O calor que eu sinto
Amo todo dia
Sem nada guardar.



segunda-feira, 2 de abril de 2012

Lavoro

No começo deste beijo
Desta escolha que é tão nobre

Flutuantes pernas,
Braços fortes,
Bocas verdadeiras.

Se, enfim, chegar ao meio
Se conserva o mesmo norte

Sonho à léguas,
Muita sorte,
Verdades derradeiras.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Perfeito

Se todos os contos de amor fossem feitos
Para não ter defeitos
Que jeito tão bobo de amar.

E então fosse tudo tão novo e perfeito
Tudo assim, bem direito
Novela tão chata de olhar.

O amor não vem
Num potezinho de manteiga
O amor não tem
Nenhuma receitinha feita

É música solta no ar
E é porto seguro
Pra quem sabe ancorar.

Se o amor fosse sempre algo que faz sentido
Fosse sempre contido
Novela tão chata de olhar

E se todo amante for sempre bem lindo
Sempre bem resolvido
Que jeito tão bobo de amar...

(Voltei, Matheus! E ainda vem mais por aí. Saudade!)