sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Seguro

Minha porta entreaberta
É coisa certa
E a vista antiga é infinita
E verdadeira.
Não vejo tudo que me resta
Como festa
E queimo tudo que me sobra
Na fogueira.


Nenhum comentário: